O investimento em Marketing é uma das prioridades das empresas  para 2012, superado apenas pelas áreas de TI, treinamento e pesquisa e desenvolvimento. É o que indica um estudo realizado pelo jornal Financial Times e pela agência de publicidade Doremus, do grupo Omnicom, com 628 executivos dos Estados Unidos, Europa e Ásia, em outubro de 2011. A previsão é de um aumento cuidadoso nos orçamentos para estes setores, especialmente nos seis primeiros meses do ano, quando comparado a 2011, e ampliação do nível de otimismo, em relação a 2008.

O levantamento mostra que as companhias pretendem expandir em 22% os orçamentos para TI, 12% para treinamento, 11% para pesquisa e desenvolvimento e 10% para publicidade e Marketing. O quinto colocado na lista é infraestrutura, com 5% mais recursos que no ano anterior.

Em relação à área TI, 37% dos entrevistados afirmaram ter um orçamento maior este ano e apenas 15% disseram que pretendem reduzi-lo. A multiplicidade de fornecedores é essencial na estratégia das empresas para os pesquisados, que indicaram fornecedor de software como a categoria número um em atenção, com 27% das respostas. Em seguida, aparecem as agências de publicidade (23%), os fornecedores de hardware (11%) e os provedores de telecom (10%). As empresas de consultoria em gestão, no entanto, caíram 8% na sua importância estratégica, na opinião dos executivos.

Mas por quê então, mesmo com as novas gestões identificando a importância do marketing e aumentando o investimento nela, o marketing foi eleito uma das profissões mais odiadas? Segundo Ricardo Fort ,diretor global de marcas da Danone Paris,  as razões principais são a falta de direcionamento dos líderes das empresas e poucas oportunidades de crescimento. Isto faz com que muitos profissionais vejam o Marketing como uma área burocrática e sem valor. Ou seja, isso é reflexo da gestão e não da profissão. Ricardo e eu temos a mesma opinião, Marketing continua sendo o coração de qualquer empresa séria e o principal responsável pelo seu sucesso.

 

Imagem: Reprodução
Fonte: www.mundodomarketing.com.br
       www.meioemensagem.com.br