business

RX da tecnologia na Saúde

 

A tecnologia auxilia a vida de vários profissionais e conquistou de vez um dos setores mais tradicionais: o da saúde. Os médicos correm contra o tempo, tem alto interesse por tecnologia e poder de consumo. Esse perfil fez com que virassem alvo de novos aplicativos que chegam no mercado.

O mercado de TI cresce em média 10% ao ano, de acordo com a consultoria IDC e tamanho crescimento precisa de profissionais, por isso 8 em cada 10 estudantes abandonam a graduação de informática antes do término do curso. É a famosa relação da oferta e da procura. O poder da tecnologia na área da saúde gerou um novo tipo de mercado dentro da TI, denominada Informática Biomédica. O curso de graduação já existe na FUVEST e engloba as Ciências da Computação, Biológicas e da Saúde. Esse profissional, além de desenvolver softwares para hospitais, clínicas e centros de pesquisa, também lida com Banco de Dados e criação de equipamentos.

A febre dos Apps também chegou para a medicina, um exemplo simples é o MóbileCare desenvolvido pela MTM Tecnologia em parceria com a TIM. O aplicativo permite que os médicos estreitem o relacionamento com os pacientes através de lembretes para consultas pelo SMS e acessar a biblioteca médica da AMB, CBHPM, TUSS e CID-10 pelo celular. Além disso, os profissionais podem calcular valores a serem recebidos pelos procedimentos médicos realizados.

Até o dia 31 de Março de 2012 o MóBileCare estará disponível gratuitamente para Iphone e BlackBerry Curve 8520, mas após essa data, passará a custar R$9,99 por mês.

 Imagem: Reprodução

 

 

Do Fast Food para o Gourmet

O mercado de alimentos está em constante crescimento, muitos pesquisadores acreditam que ele supere os 13% até 2025. Já o IBGE confirma que os brasileiros gastam 25% da sua renda com refeições fora de casa. Além dos números, é possível perceber em uma simples ida aos shoppings, como o perfil da Praça de Alimentação está mudando.

O fast-food está se tornando muito mais saudável, oferecendo um cardápio completamente natural ou pelo menos algumas opções para seus consumidores. Além disso, o que me chama mais atenção é a migração de antigas redes de comida rápida para restaurantes. Os shoppings estão oferecendo opções de restaurantes gourmets, que não se enquadram apenas para os amantes da boa mesa, mas também se transformaram em espaço para reunião de negócios e lazer.

33 Sergio Arno - Salvador Shopping

Chalezinho - Salvador Shopping

Mariposa - Salvador Shopping

Quem não acha estressante encarar uma fila para solicitar o almoço e ainda ter que encontrar um local para sentar? Achei interessante a campanha do Resaturante Bonaparte, que oferece refeições ao estilo fast-food, por trazer o conceito gourmet, mesmo sem uma estrutura física para tal.  O que vocês acharam dessa campanha?

Acredito que a tendência é que os restaurantes gourmets cresçam, assim como seu espaço dentro dos grandes centros comerciais.

Imagem/Vídeo: Reprodução

O mito do profissional perfeito

Quem acompanha o Trainee de Ceo no Twitter, percebeu a minha ansiedade pela edição da Você S/A desse mês. Ela tenta responder algumas questões que sempre rondaram minha cabeça,  principalmente “Por que as empresas exigem tantas qualificações e experiência mesmo para cargos de assistente?”.  A verdade é que, as empresas buscam hoje um profissional que seja o mais completo possível, mas ofertam um salário que não condiz com todas as qualificações buscadas. Você tem que chegar na empresa dando resultados, com uma rica experiência, fluente em inglês e espanhol (quando não uma terceira língua), ter passado por escolas de elite e com experiência no exterior. Ufa! É muita coisa, principalmente para nós da geração Y que estamos no início na carreira.

leia mais »

AVIANCA – Voando para conquistar você

 

Em 2010 a Ocean Air anunciou a mudança da marca para Avianca aqui no Brasil, ambas do Grupo Synergy. A idéia sempre foi aumentar o marketing share da companhia, que antes era de 2,6%, mantendo os preços competitivos e aumentando a oferta de assentos nos vôos.

Campanha de lançamento da marca AVIANCA

 

Confesso que não havia experimentado os vôos da Ocean Air, porém, após perder o meu vôo da TAM e necessitar voltar para Salvador o mais rápido possível, acabei optando pela Avianca. O preço da passagem não foi tão em conta como imaginei, apenas R$100,00 de diferença da líder TAM e com pouca oferta de horários de vôo por dia. Mesmo assim, me surpreendi com a qualidade de atendimento e serviço da companhia, seguindo fielmente os passos da TAM, até mesmo no que diz respeito a forma de apresentação dos procedimentos de segurança.

leia mais »

Quando a beleza atrapalha

A busca pela qualidade de vida une corpo e mente. As mulheres, principalmente, se preocupam com o visual. Mas a beleza atrapalha na busca por um novo emprego ou o posicionamento profissional dessas mulheres?

Segundo uma pesquisa realizada por economistas israelenses, mulheres bonitas têm até 30% menos chances de ocuparem uma vaga se comparadas com outras consideradas “normais”. Os recrutadores adotam posicionamentos subjetivos em relação a beleza, pois a aparência das candidatas deverá se adaptar ao perfil pessoal de cada um deles. Essas mulheres devem se esforçar mais para mostrar habilidades técnicas e suas competências, desviando a atenção da sua aparência.  Mesmo sendo considerada uma atitude antiética, a escolha de profissionais pelo visual, isso acontece. Na pesquisa, apenas 12,8% dos currículos com fotos de mulheres atraentes foram escolhidos para entrevista se comparado com o mesmo currículo, porém com foto de candidatas “normais”.

Outro fator para análise é a famosa disputa entre as mulheres. Na pesquisa, 96% dos recrutadores eram mulheres entre 20 e 30 anos. Seria isso uma resposta inconsciente da guerra do batom? Isso é difícil de responder, porém é fácil concluir que a aparência interfere muito mais do que podemos imaginar, principalmente no mercado de trabalho.

 

 

Imagem: Reprodução

Rank – Executive MBA

A Financial Times divulgou a sua lista anual de MBA para executivos que seleciona universidades de todo o mundo. Separei 10 bem interessantes e que incluem instituições brasileiras.

1 – Columbia Business School

2 – LSE(London School of Economics)

3 – INSEAD

4 – University of Chicago

5 – London Business School

6 – IE Business School

7 – FGV

8 – FIA (Fundação Instituto de Administração)

9 – University of Pennsylvania

10 – Chinese University of Hong Kong

 

Imagem: Corbis

 

Empreendedor Individual: Você CEO

Que tal ser CEO da sua própria empresa? Esse ano o Programa Empreendedor Individual completa 2 anos com 1,3 milhão de pessoas formalizadas. Segundo o SEBRAE, os novos empreendedores brasileiros são formados por 55% de  homens e 45% de mulheres, e são bem jovens, 61% tem menos de 39 anos.

É um jeito muito fácil de montar o seu próprio negócio. Para ser um empreendedor individual deve-se faturar, no máximo, R$36.000,00 por ano e não ter participação em outra empresa como sócio ou titular com um empregado contratado que receba salário mínimo ou piso da categoria. Você não terá que pagar Imposto de Renda, PIS, Cofins, e IPI, pagando somente um valor mensal entre R$28,25 e R$33,25, a depender do negócio escolhido.Esse valor irá para a sua Previdência Social e o ICM ou ISS, dando direito a benefícios como auxílio maternidade, auxílio doença, aposentadoria e CNPJ.

A formalização ajuda na negociação com fornecedores, entre outros pontos, como a aquisição de máquina de cartão de crédito. Tudo é feito rapidamente pelo Portal do Empreendedor e você pode pedir aquele velho apoio especializado do SEBRAE através do Programa SEI para garantir seu sucesso. O programa SEI é composto por sete linhas de produtos: SEI Vender, SEI Comprar, SEI Controlar meu Dinheiro, SEI Planejar, SEI Administrar, SEI Empreender e SEI Unir Forças para Melhorar. Entre em contato com o SEBRAE da sua região e bons negócios!

 

Eu estudo, tu estuda… nós estudamos no exterior

Particularmente eu sempre tive vontade de estudar no exterior, fazer um intercâmbio High School, por exemplo, mas meus pais sempre acharam mais proveitoso uma pós ou curso extensivo. O que importa é que após 22 anos, finalmente estou arrumando as malas para aperfeiçoar meu inglês no Canadá. A experiência vai ser curta, período das minhas férias no trabalho, mas será uma imersão dos pés a cabeça no inglês, aproveitando todos os minutos.

Graças a força do real, está mais fácil investir nesse tipo de educação, foram mais de 193 mil pessoas viajando para intercâmbio em 2010 e a previsão é romper os 200 mil em 2011. O primeiro passo é se perguntar “Por que estudar no exterior”, avaliando se é possível financeiramente e se esses planos se encaixam nos seus orçamento. Como já estou no mercado de trabalho, não acho interessante passar muito tempo fora, visto que experiência no inicio da carreira é muito importante, por isso escolhi o período de férias. Eu avaliei a importância de ter fluência em inglês para minha carreira e encontrei espaço para encaixá-la nos meu planos. E os custos? Bem, isso varia de acordo com o local no qual se deseja ficar, que tipo de acomodação escolher e principalmente o tipo de curso. Um curso como o meu no Canadá está na faixa de R$4.000 sem a passagem aérea, ficando em casa de família e em um curso intensivo de inglês.

Para aqueles que estão na faculdade ainda, é interessante aproveitar as parcerias que elas possuem com instituições no exterior, porque as matérias são similares e é possível não atrasar a graduação e ainda ter uma experiência fora. Já para quem busca uma pós graduação ou MBA é preciso se preparar antes. Ter uma boa base da língua e um currículo com várias atividades extracurriculares que supram alguns dos documentos exigidos pelas universidades. Em especial, o MBA, necessita de comprovação de experiência na área na qual se procura o curso, por isso não indico a inscrição antes dos 25 anos. Os custos giram em torno de R$33 mil ao ano (se seu destino é a América do Norte).  Existem diversas tipos de intercâmbio, esse vídeo mostra outra opções. Encontre uma agência legal e aproveite!

Nova geração. Novo mercado.

Muito já se falou a respeito da Geração Y. Que somos inquietos, desconhecemos hierarquia, ambiciosos, individualistas… mas a característica mais relevante de todas, é que somos INOVADORES.  Um adjetivo que chama a atenção das empresas, que passaram a ver todos os valores que esses jovens entre 20 e 30 anos (eu e provavelmente você que está lendo) têm a agregar.
Estamos revolucionando o mercado, ditando novos formatos de empresa e de consumo. Prova disso é a campanha de 21 anos da DM9, que realizou um concurso com mais de 4.000 candidatos, também de 21 anos, onde o ganhador fará um mochilão com o intuito de entender como a Geração Y enxerga o mundo, mapeando tendências. Lucas Cabral Maciel, estudante de economia da UFRJ, foi o vencedor e passará por Nova York, Londres, Milão, Barcelona, Paris, Bangcoc, Mumbai, Xangai e Tóquio.  Nada mal hén! Agora só aguardar o que ele vai trazer de lá.


Dentro das empresas temos novidades também. A Geração Y está sendo valorizada, hoje 6,5% das empresas já tem CEO´s que não chegaram aos 40 anos. Lógico que exige muito esforço, sacrifício pessoal e muito foco para aproveitar as oportunidades, investindo em aperfeiçoamento. A matéria de capa da Você S/A de Janeiro fala exatamente sobre essas “Carreiras Aceleradas”, está muito bom e para Trainees de Ceo como nós, é uma forma de traçar a carreira.
Mas para mim, a novidade mais cara de Y é o Battle of Concepts. Se nosso codinome é INOVAÇÃO, porque não explorar isso ao máximo, ganhando dinheiro e reconhecimento de grandes empresas?  Segundo o holandês Hans van Hellemondt, especialista em inovação, raramente idéias inovadoras surgem de dentro da organização porque o ambiente corporativo deforma o funcionário e faz com que ele perca a criatividade. Isso se dá pela rotina, que coloca no automático a resolução de problemas. O BOC, além de ser um grande centro de inovação, também é uma grande vitrine, o ambiente ideal para a geração que gosta de se expor e expor o que sabe.

Yuppies e Burguesia Boêmia

 

Eles são ricos e jovens, uma mistura bastante explosiva. Agora imagine a ansiedade como complemento dessa alquimia? Como resultado, temos consumidores com pretensão e condição de gastar e o melhor, por impulso. Um prato cheio para o trabalho dos mercadólogos e publicitários.
Esse tipo de consumidor é denominado Yuppie (Young Urban Professionals), que possuem entre 20 e 30 anos, são bem sucedidos e, em sua maioria, solteiros. Se preocupam muito com a imagem e a carreia, daí a necessidade de investir em branding para atingir um público desse tipo. A intenção é se destacar, através do consumo de novas tecnologias, prática de esportes que conotem status e todo o tipo de produto/serviço que seja percebido como exclusivo.  Uma análise psicológica mais profunda demonstra que os Yuppies são filhos de pais separados, ativos no mercado, e acabam consumindo para suprir um vazio familiar e a necessidade de “chamar atenção”. A Budweiser criticou o conceito de Yuppie para divulgar a marca como “descolada” e nos traz uma idéia do dia-a-dia desses consumidores.

O comportamento dos Pós-yuppies ou burgueses boêmios não é muito diferente. Eles continuam a valorizar as marcas porém, com uma ostentação que foge do clássico. A exemplo disso temos o aumento de venda dos carros utilitários ao invés de Sedans. São “bons vi vans”, que estão aflitos por um espaço só seu, dentro de um estilo próprio de curtir a vida. Gostam de gastronomia e artes em geral, consomem produtos “do bem”, como alimentos orgânicos e produtos sustentáveis e praticam esportes radicais. Embora não seja possível determinar quantos são os solteiros endinheirados, é facilmente decifrável que essa parcela da população está equilibrada no pico da pirâmide social, a chamada classe A.

Uma reportágem da Revista Época, revelou que no Brasil esse comportamento se reflete principalmente na moradia. A incorporadora American Properties e seus associados resolveram construir um edifício de lofts luxuoso no bairro do Morumbi, em São Paulo. Antes de colocar em prática a idéia, a empresa fez uma pesquisa de mercado entre 500 pessoas. Queria saber se havia consumidor para esse tipo de empreendimento. Descobriu jovens entre 25 e 40 anos, independentes, exigentes e ricos. Era o perfil ideal para os moradores dos lofts. Tanto que, nos últimos 12 meses, foram lançados com sucesso mais de dez projetos com apartamentos integrados, perfeitos para solteiros, recém-casados ou recém-separados. Diante desses fatos, a American Properties colocou em prática seu projeto com a promessa de o edifício ficar pronto em dois anos.