publicidade

Os pôneis da Nissan

É unânime, a nova campanha da Nissan não sai da cabeça dos brasileiros. A marca já é conhecida pelas propagandas bem humoradas que atacam a concorrência, porém a campanha “Pôneis Malditos” trouxe uma apelação viral que nem seria necessário, já que o jingle é um sucesso. O portal Exame.com divulgou os números de interações voluntárias do público com a marca que são impressionantes! Um ótimo trabalho da LewLaraTBWA que aumentou o fluxo nas concessionárias da Nissan e impactou mais de 99 milhões de  pessoas.

 

Orkut – 499 comunidades criadas

Twitter-  Mais de 178 mil menções (trend topics)

Blogs – Mais de 640 posts

Fórum – 80 posts

Facebook – 14 grupos; 7 páginas; 9 eventos

Youtube – O vídeo oficial possui 6.313.664 views e foi favoritado mais de 7 mil vezes

Tumblr – 81 posts

 

 

Fonte: Exame

Áudio-Vídeo :  Reprodução

Imagem: Reprodução

 

Lady Gaga: nova forma de marketing no mundo do entretenimento

O lançamento de novos álbuns de pop stars sempre utiliza um mix de marketing conhecido – estratégicas capas em revistas, presença em programas de TV e talvez a criação de uma linha de cosméticos ou moda para lembrar o público sobre o novo projeto. Mas a forma com que Lady Gaga está utilizando a mídia para o lançamento do seu terceiro álbum é épico, com parcerias que vão da Starbucks até FarmVille, e brindes virtuais das faixas do álbum. Isso é uma melhora significativa no modelo de trabalho da indústria da música; Gaga já apareceu em algumas capas de grandes revistas, indo de Rolling Stone até Vogue, e em vários programas de TV como Oprah Winfrey, American Idol, Saturday Night Live e vai ter seu próprio HBO especial show. Mas ela não parou por ai. Starbucks  – famosa casa de artistas como Emmylou Harris – está vendendo o novo álbum da Lady Gaga como mercadoria. Google Chrome dedicou um comercial com Gaga e uma faixa do seu novo album.; Gilt Group, loja de moda virtual, garante as roupas inspiradas nos looks da artista; Best Buy está dando o álbum para quem comprar um celular e fechar contrato de telefonia com eles; e Zynga, criador do jogo FarmVille  criou o GagaVille que permite que os fãs tenham acessos as faixas exclusivas. Como se isso não fosse bastante, na segunda, a Amazon.com vendou por apenas 0,99 centavos Born this Way criando uma demanda tão grande que tirou o site do ar por algum tempo. Mas parece que toda essa campanha se paga: estimasse que o álbum venderá entre 500 mil a 1 milhão na semana que vem quando for lançado.“ É realmente a respeito da distribuição desse álbum e como utilizar mercados não tradicionais com parceiros mais diferentes possíveis.” Diz o diretor de Gaga, Troy Carter para o The Associated Press na terça-feira. “ Com a redução das gravadoras, é preciso encontrar novos parceiros, onde você sabe que pode encontrar novos públicos, assim como ultrapassar limites.”Entre toda a divulgação de Born This Way está a Disney Mobile Tapulous com o jogo Tap Tap Revenge, que dá aos fãs que comprarem total acesso ao álbum por $4,99. É a primeira vez que o Tapulous coloca 17 faixas no jogo por esse preço. Tim O´Brien, vice presidente de novos negócios da Disney Móbile, disse que é o terceiro acordo com Gaga, resultando em um total de 5 milhões de músicas vendidas até agora. Enquanto eles vinham trabalhando com outros artistas no aplicativo Tap Tap Revenge, Gaga – que possui mais de 10 milhões de seguidores no Twitter e é a mais nova influente celebridade  segundo a revista Forbes – tornou um sucesso. “ Eu nunca tinha visto nada tão poderoso como Gaga com sua rede social, comparando com outros artistas que já trabalhei” disse ele. “Eu nunca vi nada parecido com o jeito que ela utiliza as redes sociais.”

Gaga blitzes the market with landmark campaign


The release of a pop star’s album usually comes with the typical cross-marketing splash – strategic magazine covers, a few major TV appearances, and perhaps a cosmetics or fashion deal to remind the public a new project awaits.Yet the social media-powered blitz connected to this week’s drop of Lady Gaga’s third album, “Born This Way,” is bordering on epic, with partnerships ranging from Starbucks to FarmVille, and virtual giveaways of the album’s 17 tracks. It also represents the kind of bold, new business model that could help rejuvenate a deflated music industry.Gaga already had a slew of magazine covers, from Rolling Stone to Vogue, and appeared on every high profile show, from Oprah Winfrey to “American Idol” to “Saturday Night Live,” as well as her own HBO concert special. But she hasn’t stopped there. Starbucks – typically home to easy-on-the-ears artists like Emmylou Harris – is selling her album as well as launching a “digital scavenger hunt” for Gaga-inspired goods; Google Chrome debuted a commercial with Gaga with a track from the album; the online fashion outlet Gilt Groupe partnered with Gaga to offer Gaga-inspired clothing and VIP performances; Best Buy is giving away the album to anyone who purchases a mobile phone with a contract; and Zynga, creator of the popular online game “FarmVille,” created “GagaVille,” which allowed fans access to exclusive Gaga songs.As if that wasn’t enough, on Monday, Amazon.com sold “Born This Way” for just 99 cents as a promotion for their new music cloud service, creating a demand so strong it disrupted the online retailing giant’s servers for a time.And it looks like the campaigns are paying off: Gaga’s album is estimated to sell anywhere between a half-million to a million copies when the top album charts are revealed next week.”It was really about expanding the distribution on this album and going into as many non-traditional retail partnerships and non-traditional marketing partnerships as possible,” Gaga’s manager, Troy Carter, told The Associated Press on Tuesday. “Just with the diminishing music labels, you want to find quality partners where you know you can reach new audiences and being able to push boundaries as well.”Among the promotions connected with “Born This Way” is the Disney Mobile Tapulous game Tap Tap Revenge, which gives fans access to the entire album and other content if they buy the game,”Born This Way Revenge,” for $4.99. It’s the first time Tapulous has put out 17 tracks with a game for that price.Tim O’Brien, vice president of business development at Disney Mobile, said this was the third deal with Gaga, resulting in the total sale of five million songs so far.While they’ve worked with other pop artists with their Tap Tap Revenge app, he said Gaga – who has 10 million followers on Twitter and was recently crowned Forbes’ most influential celebrity in part because of her tens of millions of followers online – is an act with unique appeal.”I’ve never seen anything as powerful as when Gaga hits her social media channels compared to anyone else that we’ve worked with,” he said. “I’ve never seen anything like it in terms of how she’s utilizing social media.”In pop history, there have been plenty of attention-grabbing publicity campaigns for debuting albums: Who can forget the huge statues Jackson had erected of himself and placed across the world for his “HIStory” album, or when the Backstreet Boys hit six continents in four days to promote “Black and Blue”? Then there was Jay-Z, who performed in seven cities in 17-hours for his comeback album, “Kingdom Come.”But Bill Werde, editorial director of Billboard, calls Gaga’s promotional efforts “more of a landmark campaign” for the new music industry.”There’s nothing about Gaga that’s subtle, so I don’t see why her marketing campaign would be any different,” he added.One of the more unusual promotions was Amazon’s decision to sell the MP3 version of Gaga’s album for 99 cents on Monday, the day of its release, as part of its Amazon Cloud Drive, which gives consumers personal digital storage space on a remote network or cloud; 20 gigabytes of cloud space came with the album. However, there was such a demand it caused delays for Amazon’s customers, a spokeswoman said.Though some people questioned the decision to basically give the album away, Carter wasn’t concerned at all, calling the promotional idea “incredible.””I am more concerned about piracy and people stealing the music. If you can get somebody to experience the music at that sort of price for one day only, I think it gets a lot of attention for the album,” he added.Werde said that’s key in an age where album sales are deflated and serve more as a promotional tool for the artist’s other money-making projects, including touring, in an industry more focused on what is called the 360-model of generating revenue.”It’s one of first big superstar releases that really grasps the potential of the new music business that everybody is talking about,” he said. “For a superstar artist like a Gaga, the sale of recorded music – not the quality of the music, mind you, but the sale of recorded music- really gets sort of assumed as a marketing cost to drive this 360-engine.”Carter says his data indicates Gaga may sell over 500,000 copies in the first week, and perhaps 700,000; Werde said “Born This Way” could go as high as one million.But Carter says the unique marketing tools used leading up to and during the album’s release wasn’t just to achieve monster sales for the album’s debut.”Nobody ever pays attention in the second week,” he said. “For us it’s about being in this album cycle for the next 18 to 24 months.”It seems Gaga-mania won’t be easing anytime soon

 

 

 

Reference/Referência: The Associated Press

Image/ Imagem: Reprodução (reprodution)

POP UP STORES

 

If the brand has to be dynamic and interect with the consumer, why not bring the store to the client? Pop up stores bring this idea. They are mobile´s stores for a short period to exist and work like a “trial business” to try new concepts and products without big risks for their image or finances.

This market tool is not new, but for 10 years it has been exploited by important brands. They want to innovate their image and increase sales of new ranges and temporary products, like Nike, P&G, Target and Uniqlo.

 

Nike launch new range about soccer (São Paulo – Brazil)

 

P&G´s pop up store gives samples and does makeovers. (Toronto – Canada)

 

Pop up store – Target (NY – EUA)

 

Uniqlo sales clothes in the middle of the street. Uniqlo (Japan)

Se a marca deve ser dinâmica e interagir com o consumidor, por quê não aproximar o ponto de venda ao cliente? Essa é a principal idéia das Pop up stores. Elas são lojas intinerantes que possuem curto prazo de duração, funcionando como “trial” para novos conceitos e produtos sem agregar maiores riscos de imagem ou finaceiros.

Essa ferramenta não é nova mas à 10 anos vem sendo altamente explorada por grandes marcas que pretendem inovar sua imagem e incrementar suas vendas com linhas exclusivas ou temporárias, como Nike, P&G, Target e Uniqlo.

 

Nike lança nova linha sobre futebol (São Paulo - Brasil)

 

A pop up store da P&G dá amostra grátis e faz transformação de visual. (Toronto - Canadá)

 

Pop up store - Target (NY-USA)

 

Uniqlo vende roupas no meio da rua (Japão)

 

Imagens: Reprodução

Reativação de marca: Case M&M´S

Fomos supreendidos novamente! Os M&M´S voltaram com força total. Como se já não bastasse os personagens super divertidos, eles atacam de forma interativa e inusitada na web. São os Space Heroes, um aplicativo desenvolvido para “destruir” os sites, um jogo com pontuação e tudo, que funciona em qualquer site.

Estou colocando um vídeo estilo tutorial pra todo mundo experimentar. Virou a maior febre aqui no escritório pra descontrair a sexta-feira, acesse http://www.m-ms.dk/spaceheroes/.

A era da Co-Criação

O 27° Salão do Automóvel trouxe várias novidades para o setor automobilístico, mas também um case muito interessante para todos os mercadólogos e criativos de plantão que acreditavam estar longe do Marketing 3.0.  A Fiat e seus clientes lançaram o Fiat Mio, um carro construído a partir de idéias e sugestão dos consumidores seguindo o exemplo de empresas como a Nike e a Crushpad. Segundo Kotler, no HSM Expo Management 2010, o conceito de co-criação ou Open Source Branding nasce diante de um cenário onde a relação é pautada na emoção, porque a verdade é que o cliente não precisa mais de nenhum produto, ele o consome por desejo e não por necessidade. Dessa forma, porque não inverter o processo produtivo e dar ao cliente fiel a liberdade de dizer o que quer?

A Fiat abriu o desafio para os seus clientes em 2009, pedindo que eles dessem sugestões para a criação de um carro-conceito para o futuro, com espaços não só virtuais, mas também físico, onde o consumidor acompanhava a confecção do carro (Casa Mio). Foram mais de 11.000 idéias enviadas e 17.000 participantes de todo o mundo que geraram 21 modelos de carro conceito adaptados para os 02 atuais : Sense e Precision. São veículos urbanos, compactos e econômicos. Em termos de sustentabilidade, usam energia limpa e materiais ecológicos. Em se tratando de informação, possuem integração com celular, media player, GPS e outros gadgets via um sistema operacional próprio. Para complementar, tela touch screen, head-up display (HUD) e autodiagnóstico.

Toda a estratégia, plataforma colaborativa e gestão operacional foi responsabilidade da AgênciaClick, que utilizou novas ferramentas de comunicação para promover a nova criação da Fiat. Uma delas foi a Rede Social de Notícias, Busk, que permite ao usuário acompanhar as notícias que sua rede de relacionamentos está lendo, formando um grande Clipping de assuntos interessantes. Os clientes não se contentam mais em ter produtos pensados para eles, é preciso incluí-los no processo, o que ao meu ver é uma grande vantagem pois substitui a pesquisa de mercado por uma relação unilateral com o cliente que garante maior porcentagem de sucesso e venda. Segue abaixo uma explicação maior sobre o Open Source Branding e o case do Fiat Mio cedido pela Ana Cortat (VP Brand Strategy da AgênciaClick), que deixa os mercadólogos e publicitários como eu mais empolgados para esse novo desafio.

Um aliado chamado merchandising

Todos sabemos o quanto o ser humano é impulsivo por natureza e mesmo em meio a dificuldades financeiras, é na hora da compra que o desejo fala mais alto.  A pesquisa Super e Hiper 2010, realizada pela POPAI Brasil, afirma que 76% das compras são decididas no PDV e o número de itens comprados é 125% maior do que as compras planejadas, um dado que confirma a importância do reforço da comunicação no estabelecimento, fazendo com que as empresas não se conformem em realizar apenas publicidade para divulgar a marca. O merchandising é uma peça fundamental para estimular as vendas e se destacar perante os concorrentes, é a tecnologia se tornou uma forma atrativa para isso.

Atualmente trabalho com mídias interativas e acompanho a busca das empresas em firmar uma relação próxima com o consumidor, gerando formas de contato com ele. O melhor de tudo? É possível medir o retorno simultaneamente. Pode ser Digital Signage, Advergames, Rfid, Realidade aumentada, Promotoras interativas, 3D, Holografia, Bluetooth… são tantas, mas objetivando criar uma conexão com a marca. Outro dia estava em um Shopping Center daqui de Salvador e me deparei com a divulgação de uma acessória de moda, que tinha como fachada um espelho no qual passam desfiles e entrevistas do mundo fashion, uma forma diferente de atrair o público.

foto de celular, perdão pela qualidade

Para promover o seu novo ferro à vapor na Rússia, a Tefal criou uma animação virtual 3D de uma promotora demonstrando todas as características do produto. A tecnologia acompanha a criatividade e o Brasil já possui bons fornecedores para essas ações, então mãos a obra, o céu é o limite!