por Vitor Gouveia

O Encontro de Design e Tecnologia Digital (EDTED) é um evento nacional que ocorre todo ano, onde profissionais na área de design e internet em geral cedem um espaço em sua agendinha para um bate-papo muito produtivo com estudantes, colegas de profissão ou entusiastas do tema. No último sábado (05), ocorreu a edição do EDTED aqui em Salvador, com a participação de uma equipe muito bem gabaritada de palestrantes tanto daqui quanto de outros estados.

Concordemos que um circuito de palestras não é a maneira mais tradicional de se passar um sábado em Salvador, mas este é o tipo de evento que realmente vale o esforço de quem trabalha na área de internet (e uma vez que a chuva frustrou a sua querida e prometida praia e o jogo do Bahia era apenas de noite, nada mais válido do que prestigiar o evento).

O EDTED foi dividido em 3 espaços, sendo eles “Design e Marketing”, “Tecnologia e E-Commerce” e “Business”, divisão essa que me pareceu extremamente satisfatória, agradando uma ampla variedade do público que compareceu ao evento. Devo tirar um espacinho nessas linhas para elogiar a organização do evento: Embora tenha sido pequeno, o mesmo esteve muito bem estruturado, ocorrendo poucos atrasos entre as palestras, stands bem arrumados e profissionais sempre disponíveis para esclarecer suas dúvidas (ah, e os salgadinhos e docinhos estavam nota dez!).

Como assisti as quatro palestras do palco de Design e Marketing, e 15 minutinhos da última palestra de “Tecnologia e E-Commerce” minha opinião em relação às palestras vão até as mesmas. Devo dizer, entretanto, que obtive a opinião de outras pessoas que compareceram a outras palestras e o consenso é que não houve grandes diferenças de qualidade entre os palcos.

Devo dizer, logo de cara, que o EDTED não é um evento absurdamente relevante para profissionais que já estão na área há um bom tempo, vivenciando o mercado e estudando a respeito de internet. Vale a pena ir? Vale, mas não é obrigatório. Digo isso, porque muito do que ouvi nas palestras já era de meu conhecimento, assim como de muitos dos que estavam comigo, não tendo aquele fator “MEU DEUS DO CÉU” que muitos esperam de eventos como esse. Entretanto – além de ser um ótimo ambiente para se fazer o bom e velho linkbuilding – é uma ótima oportunidade para quem estuda ou está se inserindo na área, uma vez que lhe coloca em contato com tendências e com o que está acontecendo no mercado.

A primeira palestra, “Empreendedor Digital”, com meu xará, Vitor Perrone, big boss da 2 Pontos (uma das mais tradicionais agências web de Salvador), foi um ótimo exemplo de como o EDTED pode ser útil para quem ainda está entrando no mercado: Útil, objetiva e essencialmente informativa sobre todo o processo burocrático de se começar um negócio, terminou com excelentes dicas sobre o que não fazer ao gerenciar seu empreendimento. Conheço o Vitor faz pouco tempo através de meu sócio e não pude deixar de concordar com basicamente tudo o que foi dito ali. Para quem está pensando em abrir o próprio negócio e mal sabe para onde ir, a palestra foi um mapa com GPS integrado.

Logo em seguida, tivemos a palestra sobre Redes Sociais e sua evolução com o tempo, ministrada pelo sempre excelente Gustavo Guanabara. Calejadíssimo no circuito de palestras, Gustavo ofereceu as duas melhores palestras do dia, com o uso de um slideshow extremamente visual, abordagem lateral excelente (quem já tentou falar de redes sociais usando GIRAFAS como exemplo?) e um conteúdo bastante descontraído e divertido. Uma hora pareceu durar apenas 20 minutos na sua explanação, mas confesso que não senti nenhum conteúdo revelador ou esclarecedor a respeito da temática. Foi uma abordagem superficial a respeito do tema, com algumas observações pertinentes em relação à competitividade entre as redes sociais, que talvez tenha sido mais útil para estudantes ou pessoas mais leigas no tema. De todo modo, foi uma ótima palestra. Para quem não pôde acompanhar, segue aqui (link) toda a apresentação do rapaz. Eu sei, bacana não é? De nada.

Depois da pausa para o almoço, foi a vez de Bruno Lage, conterrâneo e profissional da Propeg, ministrar a sua palestra sobre Direção de Arte, onde tentava explicar algumas realidades da área dentro do mercado soteropolitano e, como conseqüência, lhe fazer se mudar para São Paulo… Piadas a parte, a palestra foi muito boa, talvez um pouco carregada demais nos palavrões (um mal que aflige a comunicação de muitos baianos, infelizmente) e um pouco exagerada demais no quesito “vá embora daqui e tente a vida em São Paulo”. Faz sentido, mas achei um ponto de vista pessoal demais, fazendo a palestra parecer um desabafo em alguns momentos. De resto, a palestra foi excelente, com a apresentação de alguns ótimos cases em direção de arte para sites (tanto do próprio Bruno, como de alguns colegas de profissão), e recheada de boas dicas para quem busca aquele emprego bacana ao sol, mas ainda precisa montar um portfolio satisfatório para agências de alto nível.

O circuito de palestras se encerrou com Laert Yamakazi, sobre UX (design voltado para a experiência do usuário). Um tema extremamente relevante, se este tivesse sido abordado na tediosa e frustrante apresentação de uma hora do Yamazaki, que basicamente passou todo o seu tempo reclamando do mercado baiano, do mercado em geral, da área, dos profissionais, da vida e de todo o resto. O uso de máximas do tipo “Â internet morreu”, “Se você é designer, você é infeliz”, foi usado de forma excessiva e desnecessária, de modo que além de não acrescentar em nada com comentários inflexíveis e pessimistas, manteve um clima um tanto frustrante para aqueles que só queriam saber um pouco mais sobre UX. Ao término dos primeiros 50 minutos da palestra (de 60), resolvi abandonar a mesma para uma palestra (ótima) sobre Apps para iPad e mobiles do Guanabara. Digo com toda a certeza que os 15 minutos finais dessa palestra me foram muito mais úteis e relevantes que todos os 50 minutos da palestra do senhor Yamazaki, que podia até ter uma boa intenção, mas precisa rever seus conceitos sobre palestrar.

No geral, o EDTED foi um bom evento, recheado de altos e baixos, mas bastante organizado e acolhedor para profissionais da área. Não digo que saí impressionado com o conteúdo obtido, mas certamente fui embora com mais conhecimento do que acordei de manhã… e só por isso, já valeu a experiência.

 

 

Vitor Gouveia tem 24 anos (insira piada babaca aqui), é formado em Comunicação Social pela Unifacs e é sócio da agência de marketing digital Sigu Marketing (http://www.sigu.com.br/).









Imagem: Reprodução