Muito já se falou a respeito da Geração Y. Que somos inquietos, desconhecemos hierarquia, ambiciosos, individualistas… mas a característica mais relevante de todas, é que somos INOVADORES.  Um adjetivo que chama a atenção das empresas, que passaram a ver todos os valores que esses jovens entre 20 e 30 anos (eu e provavelmente você que está lendo) têm a agregar.
Estamos revolucionando o mercado, ditando novos formatos de empresa e de consumo. Prova disso é a campanha de 21 anos da DM9, que realizou um concurso com mais de 4.000 candidatos, também de 21 anos, onde o ganhador fará um mochilão com o intuito de entender como a Geração Y enxerga o mundo, mapeando tendências. Lucas Cabral Maciel, estudante de economia da UFRJ, foi o vencedor e passará por Nova York, Londres, Milão, Barcelona, Paris, Bangcoc, Mumbai, Xangai e Tóquio.  Nada mal hén! Agora só aguardar o que ele vai trazer de lá.


Dentro das empresas temos novidades também. A Geração Y está sendo valorizada, hoje 6,5% das empresas já tem CEO´s que não chegaram aos 40 anos. Lógico que exige muito esforço, sacrifício pessoal e muito foco para aproveitar as oportunidades, investindo em aperfeiçoamento. A matéria de capa da Você S/A de Janeiro fala exatamente sobre essas “Carreiras Aceleradas”, está muito bom e para Trainees de Ceo como nós, é uma forma de traçar a carreira.
Mas para mim, a novidade mais cara de Y é o Battle of Concepts. Se nosso codinome é INOVAÇÃO, porque não explorar isso ao máximo, ganhando dinheiro e reconhecimento de grandes empresas?  Segundo o holandês Hans van Hellemondt, especialista em inovação, raramente idéias inovadoras surgem de dentro da organização porque o ambiente corporativo deforma o funcionário e faz com que ele perca a criatividade. Isso se dá pela rotina, que coloca no automático a resolução de problemas. O BOC, além de ser um grande centro de inovação, também é uma grande vitrine, o ambiente ideal para a geração que gosta de se expor e expor o que sabe.