A classe C é um dos grandes focos para as empresas brasileiras, já que estamos falando de um consumidor com poder de compra maior e sede em gastar esse dinheiro. Foi um salto de 42 milhões de pessoas em 2004 para 104 milhões em 2010 , que movimentam R$ 1,03 trilhão por ano. Porém,o grande desafio está em conquistar essa parcela da população que sabe bem o valor do dinheiro e se dá ao luxo de investir em certos produtos/serviços.

Podemos chamar esse novo segmento de “novo luxo”  já que o cliente não busca uma marca específica – segundo pesquisa da Franceschini Análise de Mercado,64% dos consumidores da classe C não têm nenhuma marca de vestuário na memória que esteja ligada a luxo, assim como 62% também não citaram uma loja específica – mas sim a valorização e o cuidado que ela tem para com ele. O segredo está em encantar o cliente e para isso os 4 E´s são essenciais para a conquista das sociedades emergentes. A Excelência, Estética, Experiência e Ética são trabalhadas em conjunto para aguçar o imaginário da classe C e estimular a compra, na sua maioria parcelada.

Ao meu ver, encantar o cliente é tarefa de qualquer empresa que preze pelo relacionamento e busca a fidelização deles. Dessa forma, a utilização dos 4 E´s se faz necessário pois é uma relação de respeito com o consumidor. Mas vamos à explicação de cada um deles, que podem ser aprofundados no livro Novo luxo da Editora Gente.

Excelência – É o cuidado na prestação do serviço ou confecção do produto, garantindo a satisfação do cliente ao ponto que o investimento aplicado trará o retorno desejado cumprindo com o objetivo a que se propõe. Afinal, em relação a classe C, não é possível se dar ao luxo de perder dinheiro. Essa atitude se comprova ao comparar as compras de supermercado das Classes A/B e C/D. As classes mais altas gastam menos com produtos em que “não põe a mão” como detergente e outros materiais de limpeza, testando produtos novos do mercado e mais baratos. Já as classes mais baixas, levam produtos de marcas conhecidas porque, apesar do preço, tem eficácia comprovada.

Estética – O belo é apreciado independente da classe. Considerando que os shopers gastam cada vez menos tempo comprando e que a decisão é tomada, em sua maioria, no ato da compra, a estética é um ítem de extrema importância. As empresas que vêm investindo em redesign de embalagens para atrair mais atenção no PDV têm tido grandes resultados. Além do design de produtos, vale ressaltar a arquitetura das lojas e visual merchandising.

Experiência – O atendimento é o ponto chave para a venda e por isso o treinamento de funcionários é tão importante. O consumidor precisa se sentir acolhido e valorizado.

Ética – Todo esse respeito iniciado no ato da compra, deve permanecer no pós-venda e em todos os pontos de contato com o cliente, trabalhando de forma ética e responsável.

Imagem: Reprodução
 
Pricila Paro
É graduada em Publicidade. Pós-graduada em Marketing e Gestão Hospitalar. Atua na área de marketing de uma grande instituição de saúde baiana. Colunista do Empreender Saúde. Escreve para o blog www.traineedeceo.com.br com foco em comunicação e marketing para novos profissionais.  Assessora profissionais de saúde que buscam otimização na gestão de seus consultórios e clínicas.
 
A reprodução dos textos de autoria de Pricila Paro são PERMITIDAS desde que citado o autor e o endereço eletrônico http://www.traineedeceo.com.br/