Sempre achei que a falta de boas vagas na área de comunicação e marketing fosse um problema do nordeste e nunca consegui entender como as empresas não enxergavam que os jovens profissionais são um ótimo investimento. Estamos totalmente focados na profissão, temos vontade de aprender, disponibilidade e trazemos vários pensamentos que colaboram para a inovação das empresas, e essa semana a querida Miriam Leitão se mostrou tão incomodada com essa situação quanto eu. Ela apontou que o desemprego entre os jovens é um problema nacional, mesmo sendo mais escolarizados do que a média da população (a dos jovens entre 18 e 24 anos é de 9 anos, enquanto a da restante da população é de 7 anos), o número de jovens desempregados é três vezes maior do que o restante da população. Não existe algo muito errado nessa situação? Como todos os empresários têm como objetivo o lucro, só consigo considerar o preconceito como fator importante para a não contratação de jovens profissionais. Faço MBA em Marketing e Branding, e o número de jovens que saíram da graduação direto para a pós é bem significativo, tudo isso pensando em uma melhor qualificação que não é aproveitada.

Estamos fazendo a nossa parte, procurando aprender ao máximo para tentar suprir a falta de experiência, que só existe porque não nos é dada oportunidade. Isso se confirma nos números altíssimos de candidatos inscritos nos processos de trainee, já que é uma das poucas portas abertas para o mercado de trabalho que os jovens profissionais encontram. Sei que os encargos presentes na contratação dos funcionários não são poucos, talvez por isso seja mais fácil para as empresas contratarem profissionais disponíveis que já possuem certa experiência e não sejam uma incógnita para elas (na teoria). Concordo com José Pastore – professor de relações do trabalho da FEA-USP – seria melhor se o Brasil adotasse uma legislação que valorizasse o jovem profissional e facilitasse os gastos das empresas, reduzindo as despesas para a contratação de jovens pelo menos por um período de aprendizagem.
Estamos nos capacitando cada vez mais, cuidando tanto do conteúdo quanto da “embalagem” para nos tornar mais atrativos para os compradores. Nesse mercado de ofertas, quem dá mais? A procura por oportunidade está em alta, supervalorizada, basta aproveitar. #ficaadica.